“A cura” – João B. da Costa

Os últimos dias revelaram toda a azia política de quem estava anafado com poder e foi obrigado a uma dieta democrática.

Aqueles que eram os donos disto tudo começam a ter a careca descoberta provocada pela ausência de ter em quem mandar, quem manipular e, sobretudo, onde colocar todos os muitos desocupados do poder que agora só pensam em puxar para baixo os Açores na tentativa de passar uma ideia de que tudo piorou com a sua abstinência de governação.

Mas o mais triste é quem durante oito meses usou e abusou da pandemia para seu benefício político e nem mesmo assim conseguiu resultados efetivos, escondendo verdades e mentindo aos açorianos, vir agora armado em cientista da treta, especialista em ouvi dizer ou em doutorado nas meias verdades para denegrir o trabalho do governo e profissionais de saúde que combatem a pandemia que tudo mudou nas nossas vidas.

Mas, ainda bem que saíram do toca e mostraram ao que vêm. Alguns andaram a prometer bodos e sopas para angariar a simpatia do voto, outros subiram ao alto do monte para, em direto e em horário nobre se proclamarem salvadores insubstituíveis, mas como isso não resultou agora preferem denegrir quem tem de arrumar a casa e resolver os problemas.

Só espero que não queiram invadir os palácios de que sentem saudades ou onde se habituavam a mandar em tudo e em todos. A cura está a ser dolorosa mas é essencial e esclarecedora!

foto/ JEdgardo Vieira

João Bruto da Costa