Governo Regional dos Açores afirma que tudo tem feito para que o preço do leite continue a aumentar, afirma Diretor Regional da Agricultura

O Diretor Regional da Agricultura afirmou, na Lagoa, em São Miguel, que o Governo Regional dos Açores está atento à realidade e tudo tem feito, no âmbito das suas competências, para que o preço do leite pago ao produtor nos Açores continue a aumentar.

“O Governo Regional está atento, está ao lado dos produtores, mas também é importante que as indústrias possam investir e inovar, porque o bem das empresas tem de ser o bem dos produtores”, frisou José Élio Ventura, que falava terça-feira à margem de uma visita à fábrica da PROLACTO – Lacticínios de S. Miguel, S.A., que está a comemorar o 50.º aniversário.

José Élio Ventura salientou que “o Governo não tem instrumentos para dizer quando e como devem ser feitas as subidas de preço do leite”, embora continue a apoiar os produtores, com vista à redução dos seus custos de produção, e as empresas, designadamente nos seus processos de transformação, inovação e valorização dos seus produtos juntos dos mercados e dos consumidores.

Até ao momento, apenas a BEL anunciou que vai pagar aos produtores açorianos mais um cêntimo por litro de leite entregue na fábrica durante os meses de Novembro e Dezembro.

“É preciso perceber que não estamos a falar de uma descida do preço do leite. Estamos a falar da subida que uma indústria está em condições de realizar, enquanto as outras não o farão para já, mas poderão fazê-lo mais à frente”, disse José Élio Ventura.

O Diretor Regional da Agricultura frisou que este ano os Açores têm seguido a tendência nacional de crescimento do preço do leite pago ao produtor, enquanto a média europeia estagnou.

O leite dos Açores é produzido no meio do oceano Atlântico, ao ar livre, com grande interação com a natureza, sendo por todos reconhecido pela sua grande qualidade.

José Élio Ventura considerou que a recente compra da fábrica da PROLACTO pela empresa internacional de investimento ‘Quantum Capital Partners’ demonstra bem que a aposta na transformação de leite tem futuro, tendo em conta que a população mundial está a aumentar e que o leite é incorporado em variados produtos “que muitas vezes as pessoas nem se dão conta”.

 

AExpresso Online