Radioterapia, Secretário Regional da Saúde diz que número de casos não possibilitam abertura de unidade na Terceira

O secretario regional da Saúde revelou esta semana que os Açores “seguem a tendência nacional” no que diz respeito à relação entre utentes e equipamentos de radioterapia, sendo que o número de casos provenientes da ilha Terceira “não garantem a possibilidade de abertura de uma segunda unidade de tratamentos”, com a qualidade e segurança necessárias.

“Nos Açores seguimos a tendência nacional de haver quatro equipamentos por cada milhão de habitantes. Nós temos um equipamento para cerca de 250 mil habitantes, cumprimos aquilo que é a tendência nacional”, afirmou Rui Luís, em Angra do Heroísmo, durante a visita de trabalho do Governo dos Açores.

O governante sublinhou que os tratamentos de radioterapia são “extremamente sensíveis” para os utentes e “exigentes para os profissionais de saúde” que os ministram, sendo “fundamental” existirem um número de casos suficientes para que se possa trabalhar com qualidade e segurança, tal como é exigido.

Rui Luís realçou que os utentes que acedem ao serviço da clínica existente em São Miguel estão “muito satisfeitos” pela qualidade do serviço prestado, salientando que a empresa privada que disponibiliza estes tratamentos “ainda não tem” o número de casos que estavam inicialmente previstos para poderem operar na Região.

O secretário regional referiu, ainda, que o número de casos provenientes da ilha Terceira “não garantem a possibilidade de abertura de uma segunda unidade de tratamentos”, com a qualidade e segurança necessárias.

Recorde-se que o Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira (HSEIT) está equipado com uma unidade de radioterapia que, no entanto, nunca foi ativada.

 

AExpresso Online