Arranque da empreitada de adução e abastecimento de água a Santa Rita/Juncal na Praia da Vitoria

Autarquias Regional

O Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, Tibério Dinís, considerou esta quinta-feira “um dia histórico” para o Concelho, ao marcar o arranque da empreitada de adução e abastecimento de água a Santa Rita/Juncal, “que vai melhorar, substancialmente, a qualidade e a quantidade de água de consumo distribuída a 20% população”.

Na cerimónia de lançamento da obra (orçada em praticamente 2 milhões de euros, 85% comparticipados por fundos comunitários e os restantes 15% suportados pelo Fundo Ambiental gerido pelo Ministério do Ambiente do Governo da República), Tibério Dinís salientou vários aspetos “que tornam esta empreitada muito mais do que uma mera obra de abastecimento de água”.

“Por um lado, estamos a falar de uma obra que vai melhorar, substancialmente, a qualidade e a quantidade de água para consumo de cerca de 20% da população, de 4 freguesias do Concelho (São Brás, Fontinhas, Vila das Lajes e Santa Cruz), nos quais se incluem os 120 fogos de habitação social e o chamado Bairro dos Americanos de Santa Rita”, afirmou.

Por outro lado, prosseguiu, “esta empreitada vai substituir, definitivamente, a obsoleta rede militar de água que abastece uma zona significativa de Santa Rita, a partir da Base das Lajes. Assim, pela primeira vez, a empresa Praia Ambiente e a Câmara Municipal da Praia vão abastecer toda a população civil do Concelho, o que é histórico, dentro da história da Praia, do século XX”.

Outra das grandes virtudes e vantagens desta empreitada, acrescentou Tibério Dinís, “prende-se também com a desativação final do célebre furo Juncal II – um furo que tem sido muito badalado, por outras razões que não as que justificam a sua desativação. Tem cerca de 60 anos, está obsoleto para as necessidades dos dias de hoje, tem enorme introdução salina, e é também um dos furos onde sempre houve risco da contaminação chegar, apesar de, até hoje, nunca lá ter chegado. Com esta obra fica ultrapassado completamente este risco. Demonstra-se, assim, a responsabilidade da Câmara Municipal e da Praia Ambiente em afastar definitivamente um risco que era ínfimo, apesar de alguns poderem vir agora discutir longas horas sobre esta matéria. À Câmara Municipal da Praia cabia a responsabilidade de encontrar as melhores soluções para as populações que servimos”.

Mas existem ainda outros fatores que tornam esta obra “histórica”, na opinião do edil praiense: “Para que esta empreitada visse a luz do dia foi necessário um grande esforço diplomático e uma grande influência política da Câmara Municipal da Praia, porque foram precisas negociações com dois Ministérios”, lembrou.

Tibério Dinis recordou a assinatura de dois protocolos, ao longo do ano em curso, um com o Ministério da Defesa Nacional e, outro, com o Ministério do Ambiente, que tornaram possível a realização da empreitada: “o protocolo assinado com o Sr. Ministro da Defesa assegurou que, até finais de 2020, não haverão interrupções no abastecimento de água, por parte da rede militar, à zona de Santa Rita; já o protocolo com o Ministério do Ambiente, por via do Fundo Ambiental, assegura que os 15% de custos da obra não financiados por fundos comunitários são suportados pelo Governo da República. Esta é, importa salientar, a primeira intervenção direta, ao fim de muitos e muitos anos, por parte da República na Praia da Vitória”.

Assim, o Autarca praiense considera que “entramos em 2019 com o pé direito ao iniciarmos esta empreitada”, que, realçou, “é a maior empreitada da Câmara Municipal em curso, cerca de 2 milhões de euros, e é uma das maiores candidaturas de todas as Autarquias dos Açores aos fundos do atual quadro comunitário de apoio, o que demonstra, também, a enorme complexidade técnica e política, mas, sobretudo, a dimensão desta obra e a forma como se olha para o futuro e para a melhoria da prestação de um serviço à população”.

Tibério Dinis aproveitou a oportunidade para saudar todos os colaboradores da empresa municipal Praia Ambiente “que hoje veem o início de uma obra que há muito tempo tem vindo a ser projetado e trabalhada pela empresa. Como Presidente de Câmara só tenho a dizer que é um orgulho enorme quando temos colaboradores numa empresa municipal que se dedicam a encontrar as melhores soluções para melhor servir a população do Concelho e encontrar soluções para aqueles que são os desafios que se colocam ao nosso futuro”.

A obra

Quanto à empreitada, ela foi adjudicada ao consórcio Tecnovia Açores – Sociedade de Empreitadas, SA e Marques SA, tendo um prazo de execução previsto de 450 dias. Esta obra estende-se por uma faixa de território que vem desde o Pico do Rocha até ao Juncal e Santa Rita, passando por São Brás, Fontinhas e Lajes. Parte significativa da empreitada vai decorrer sem provocar grandes constrangimentos às populações, nomeadamente nas freguesias de São Brás, Fontinhas e Vila das Lajes.

Com esta obra serão introduzidas na rede de abastecimento de água do Concelho da Praia da Vitória 14,6 quilómetros de novas condutas, permitindo-se ainda a entrada na rede de mais 18,4 mil litros de água por minuto.

Por fim, importa referir que a conclusão dos trabalhos levará também ao asfaltamento dos troços de estrada entre a Rotunda do Aeroporto e a Igreja de Santa Luzia, bem como entre a Rotunda do Posto Um e a Rotunda de Santa Rita.

 

GI CMPV/AExpresso Online