Projeto LIFE CWR está assegurado, visando a recuperação dos Pauis da Praia da Vitória

Está aprovado o Plano de Gestão da Infraestrutura Verde Húmida Costeira da Praia da Vitória, sendo assim garantida a continuidade do projeto LIFE CWR, que visou o restauro ecológico e a conservação dos Pauis da Praia da Vitória, Belo Jardim e Pedreira do Cabo da Praia, para além dos financiamentos europeus que criaram este projeto.

Tibério Dinis, Presidente da Câmara da Municipal da Praia da Vitória, já tinha assegurado, a meados no ano passado, aquando da finalização dos primeiros planos financiados por fundos europeus, que o projeto LIFE CWR iria continuar a vigorar, sendo assegurado o seu financiamento pela Autarquia, facto que agora se confirma com a aprovação do Plano de Gestão.

“Com o plano agora aprovado para a gestão da Infraestrutura Verde Húmida Costeira da Praia da Vitória (IVHCPV) definem-se medidas de proteção e gestão para estes ecossistemas, tendo por base quatro objetivos estratégicos: Assegurar a continuidade das ações implementadas para a conservação dos pauis”; “Contribuir para a manutenção dos habitats e promover a biodiversidade”; “Identificar os constrangimentos, oportunidades e as ameaças à estabilidade ambiental dos ecossistemas”; “Determinar as ações futuras para uma gestão eficaz das zonas húmidas”, afirma a Vereadora com competência no projeto, Raquel Borges.

Em traços gerais, prosseguiu, “a continuidade do projeto LIFE CWR pretende dar continuidade às iniciativas de recuperação e restauro do Paul da Praia da Vitória, através do aumento do espelho de água e arranjo paisagístico das margens envolventes, alargando o processo de requalificação a outras duas zonas húmidas da orla costeira do Concelho: os Pauis da Pedreira do Cabo da Praia e do Belo Jardim”.

Segundo Raquel Borges, o presente Plano de Gestão tem “3 objetivos gerais (Preservar as espécies de fauna e flora selvagens, Promover o recreio e lazer ao ar livre e Incentivar a investigação científica) e 15 medidas concretas”, entre as quais se destacam, a manutenção e aumento do número de indivíduos e casais de espécies migratórias nos três pauis, assim como as populações de flora e o sistema dunar do Paul do Belo Jardim, assim como estabilizar a qualidade da água no Paul da Praia da Vitória e alargar os limites do sítio RAMSAR para incluir os pauis do Belo Jardim e da Pedreira do Cabo da Praia, no âmbito desta Convenção Internacional.

Para além destas vertentes, acrescenta a Vereadora, este projeto tem por base um incremento do turismo de natureza e da investigação científica, esperando-se com a continuidade do mesmo “promover o recreio e lazer ao ar livre, em equilíbrio com a preservação dos valores naturais, paisagísticos e culturais, contribuindo para o bem estar das populações e para a sustentabilidade socioeconómica da Praia da Vitória, aumentando o número de observadores de aves, nacionais e internacionais, nos pauis, o número de visitantes locais e estrangeiros e o envolvimento da comunidade local”, havendo ainda a intenção de “incentivar a investigação científica, o conhecimento e a sensibilização para a defesa das espécies com maior relevância, aumentando o número de estudos, o número de participantes em atividades de sensibilização ambiental e o envolvimento da comunidade escolar”.

 

Projeto de sucesso

Recorde-se que a Câmara Municipal da Praia da Vitória submeteu a candidatura do Projeto LIFE CWR (Restauro Ecológico e Conservação da Infraestrutura Verde Húmida Costeira da Praia da Vitória) ao Programa Europeu LIFE+, tendo a mesma sido aprovada.

Os trabalhos de recuperação dos pauis da Praia da Vitória permitiram a recuperação ambiental e a requalificação paisagística do Paul da Praia da Vitória, a requalificação do Paul do Belo Jardim e o aumento da sustentabilidade do ecossistema do Paul da Pedreira do Cabo da Praia, onde foi edificado também o Centro de Interpretação do projeto.

Neste momento, após este trabalho inicial, os responsáveis pelo projeto LIFE CWR na Praia asseguram que “o Paul da Praia da Vitória oferece agora melhores condições para se afirmar como um refúgio no Atlântico para aves migratórias e para a nidificação de espécies residentes, nomeadamente a galinha de água e o galeirão”, enquanto a requalificação do Paul do Belo Jardim levou a um “ordenamento do espaço e à recuperação de um sistema dunar, que é um ecossistema raro, bem como a biodiversidade que lhe está associada”. Já no que toca ao Paul da Pedreira do Cabo da Praia “assegurou-se o aumento da sustentabilidade do ecossistema melhorando o refúgio da avifauna mais sensível”, assim como “ criaram-se infraestruturas logísticas de apoio ao birdwatching”.

Fruto dos trabalhos desenvolvidos nos últimos anos, “hoje há uma dinâmica instalada e um corpo técnico capacitado para dar continuidade e corresponder aos desafios que se colocam ao processo de recuperação destes ecossistemas costeiros singulares”, frisa Raquel Borges, salientando que “as iniciativas promovidas pela Câmara Municipal da Praia da Vitória e coordenadas pela equipa do LIFE CWR, deram nova imagem às zonas húmidas do Concelho e ampliaram o potencial oferecido em termos recreativos, educativos e de científicos”.

Importa registar que os ecossistemas aquáticos costeiros da Terceira, em particular estes da Praia da Vitória, são pontos estratégicos que suportam elevada biodiversidade, sobretudo quanto à avifauna, devido à presença frequente de um considerável número de espécies de aves migratórias com origem americana, europeia e africana, sendo, por isso, um fator de atratividade para praticantes de Birdwatching, aficionados em segmentos de turismo de natureza e de investigadores de ecologia insular.

 

Foto/DR

GI CMPV/AExpresso Online