Santa Clara regressa aos triunfos em casa no embate com o Portimonense por 2-1

Desporto Nacional

O regresso do Santa Clara aos triunfos. Já não vencia em casa há quatro meses e não pontuava no campeonato há três jornadas consecutivas.Apesar de ter sido a equipa revelação da primeira volta, o Santa Clara voltou a entrar na partida, em casa, ser conseguir ditar as ‘regras do jogo’. Aliás, exceção feita aos últimos minutos da primeira parte, foi o Portimonense a mandar no jogo, chegando mais perto e com mais facilidade à baliza dos açorianos.

Os algarvios estiveram completamente instalados no meio campo do Santa Clara, com os açorianos a revelarem pouca agilidade – e até estratégia – para sair em contra-ataque quando recuperavam a bola. Foi preciso, no entanto, esperar pelo final do quarto de hora para assistir à primeira grande oportunidade de golo da formação de António Folha.

Um disparo de Lucas Fernandes colidiu com as mãos de Marco, com o guardião das malhas açorianas a afastar o esférico com uma palma. Mas, o alívio do guarda-redes do Santa Clara não ia durar muito… Escassos segundos depois mais um aviso da equipa visitante, desta vez dos pés de Jackson. Marco, no entanto, antecipava-se ao colombiano que, nos minutos seguintes, continuou a carregar no pé. Exemplo disso foi mais um remate cruzado, que acabou por sair ao lado.

Os minutos passavam e pouco se alterava na dinâmica do jogo. A equipa de Portimão continua a procurar o golo, ao passo que os encarnados de Ponta Delgada denotavam uma flagrante falta de fulgor, que acabou interrompida pelo assinalar de livre direto favorável ao Santa Clara, na sequência de um lance que valeu, primeiro a cartolina amarela e, depois, a expulsão a Jadson, confirmada a jogada junto do VAR.

E mesmo a jogar em inferioridade numérica, foi o Portimonense a inaugurar o marcador. E graças à passividade da frente defensiva dos açorianos! Jackson Martinez, na sequência de um cruzamento de Tormena, cabeceou, com eficácia, para o canto mais distante da baliza guardião açoriano.

João Henriques treinador do Santa Clara mexe na equipa e o resultado da entrada dos reforços Pablo e Guilherme Schettine não tardou a aparecer. E foi o cabeceamento de Schettine, que o guarda-redes do Portimonense não segura, que permite a bola chegar a Zé Manuel que só teve de encostar para golo, mesmo em cima do minuto 45. Desde aí, mudou radicalmente o semblante e a postura do Santa Clara em campo e o no tempo de compensação Zé Manuel não bisou por pouco.

No regresso ao intervalo, a equipa da casa entrou melhor e cedo colocou Ricardo Ferreira em sentido. Aos 51 minutos, Guilherme Schettine, dentro da pequena área e na cara do guarda-redes, manda a bola por cima. Seguiram-se mais umas quantas oportunidades desperdiçadas, numa altura em que crescia o inconformismo dos açorianos com a igualdade no marcador. E tanto pressionaram que o golo que colocaria o Santa Clara em vantagem acabou por acontecer. Foi aos 74 minutos, um cabeceamento certeiro de Fábio Cardoso ao segundo poste.

Não rendidos à desvantagem no marcado, os jogadores do Portimonense faziam por capitalizar as desatenções dos açorianos e, por pouco, não se chegou ao empate, quando estavam decorridos 81 minutos de jogo. Valeu a saída precisa de Marco ao remate de Hackman.

Já no cair do pano, mais uma oportunidade de golo, mas desta vez para o Santa Clara, com um remate de Bruno Lamas. E na compensação, Schettine também testou a atenção do guardião do Portimonense, mas sem resultado.

 

foto/JEdgardo Vieira

AExpresso Online