Continuamos a ser “uma maioria com ambição de fazer melhor”, é Francisco César quem o diz

Francisco César recusou as críticas de quem diz que o PS governa a Região há muito tempo: “Há quem diga que estamos há 24 anos no Governo. Para já permitam-me que vos diga que as contas estão enganadas: Nós estivemos 16 anos no Governo, num primeiro ciclo, e estamos agora há oito anos no Governo, com a mesma ambição de sempre”.

“É curioso que aqueles que enchem a boca para nos acusar de estar há 24 anos no poder, estando exatamente na mesma situação numa câmara municipal não acham que isto seja demasiado tempo. Também é curioso sejam os mesmos que convidam os representantes da Região Autónoma da Madeira, do Governo Regional da Madeira, para falar no seu Congresso e para dar lições de renovação política e de capacidade de liderar uma região”.

O Presidente do Grupo Parlamentar do PS/Açores, que falava num encontro com militantes, garantiu que o Governo do PS mantém a mesma ambição de sempre para melhorar a vida dos Açorianos e dialogar com todas as forças políticas: “Aquilo que nós devemos dizer é que, nós com oito anos de governação de Vasco Cordeiro, continuamos a ser uma maioria com capacidade de diálogo – basta ver que no Parlamento, em 115 diplomas conseguimos aprovar mais de 80 por unanimidade”.

“Sabemos o que é que temos feito” e, assegurou, continuamos a ser capazes “de resolver os problemas das pessoas”, continuamos a ser “uma maioria com ambição de fazer melhor”. Para Francisco César o PS continua, “enquanto maioria que governa esta Região a olhar, sobretudo para a frente, mais do que olhar para trás” e por isso, tem projetos para “fazer melhor” nas acessibilidades, na saúde, no turismo, na habitação, na cooperação com os nossos autarcas.

Mário Tomé, deputado eleito pela ilha do Pico, fez questão de sublinhar “o castramento a que a nossa ilha e as nossas gentes foram sujeitas durante décadas, nas ligações áreas ao exterior” e lembrou a postura do PSD, em 2003, quando o responsável pelo Gabinete de Estudos do PSD-Açores, Mário Fortuna, afirmava: “não faz sentido a ampliação do Aeroporto do Pico (…) não é essencial ao Pico ter a sua própria pista (…) no fundo o que o Pico pretende é ser uma alternativa ao Faial”.

Hoje, acrescentou o parlamentar, “os Açores estão diferentes e naturalmente a Ilha do Pico é também o expoente dessa diferença”. Mário Tomé realçou as melhorias feitas em termos das acessibilidades áreas e marítimas, a recuperação de um setor vitivinícola pujante: “em 2009 tínhamos 28 hectares de vinha, hoje temos 708 hectares”, há “novas empresas na área do vinho e do enoturismo” e criou-se “mais emprego e de mais economia”.

Miguel Costa, secretário coordenador do PS/Pico, que também discursou no encontro com os militantes e simpatizantes realizado esta segunda-feira à noite no Pico, sublinhou que “não está tudo feito, nem tudo foi bem feito, há sempre muita coisa para melhorar”, mas que o PS, tem “ambição” para o que falta fazer: “Nós não governamos para o PS, governamos sim para os Açorianos e para termos uns Açores, de Santa Maria ao Corvo, na linha da frente de um desenvolvimento harmonioso e coeso”.

foto/DR

AExpresso Online