Açores identificam 573 idosos em situação frágil ou sem apoio familiar

O Governo dos Açores identificou 573 casos de idosos frágeis, isolados ou sem apoio familiar, com quem vai manter contacto nos próximos dias, após levantamento junto de mais de 30 mil pessoas com mais de 65 anos.

Esta ronda de contactos, realizada pelos técnicos do Instituto de Segurança Social dos Açores (ISSA), teve em conta a situação resultante da pandemia de covid-19 e surgiu em cumprimento das recomendações da Autoridade de Saúde Regional e das medidas recentemente tornadas públicas pelo Governo da República.

De acordo com a Secretaria Regional da Solidariedade Social, a ronda de contactos com os idosos com mais de 65 anos da região “terminou esta quarta-feira” e “abrangeu mais de 30 mil pessoas”.

“Nos 39.820 contactos efetuados foram abrangidas 30.489 pessoas, tendo sido identificados 573 casos em que os idosos se demonstraram mais frágeis, se encontravam isolados ou sem qualquer suporte familiar ou outro, com quem o ISSA vai manter contacto nos próximos dias. Os restantes dizem respeito a pessoas que não atenderam, com o telefone desligado, sem contacto telefónico ou já residentes em lar de idosos”, adianta o Governo Regional.

Segundo a nota do executivo açoriano, no âmbito destes contactos “foram apoiadas 74 pessoas em oito ilhas”, nomeadamente uma nas Flores, sete no Faial, quatro na Graciosa, 10 no Pico, sete em S. Jorge, cinco na Terceira, uma em Santa Maria e 39 em São Miguel.

Nestes contactos realizados pelos técnicos de Ação Social de todas as nove ilhas, as pessoas foram informadas que só devem sair das suas residências em situações muito excecionais e quando estritamente necessário.

Os idosos beneficiários de pensões foram aconselhados a aderir ao pagamento por transferência bancária, por forma a evitar que se desloquem às agências bancárias ou aos CTT.

foto/DR

Lusa/AExp. Online